A Nossa Casa


A Bianca terá sido provavelmente a namorada que mais beijos me deu, pois nós passávamos horas sentados naquele jardim, com os nossos lábios sedentos de carinho. Éramos os dois muito jovens, namorávamos sempre no final das aulas, e com a mochila às costas, íamos até ao parque e ficávamos naquele que chamávamos “O nosso banco”, bem agarradinhos a trocar beijos sem conta.

Apesar da idade, ela sabia o que queria, e dizia que queria casar virgem e eu respeitava isso. Mas ela passava a vida a provocar-me, e naquele jardim, passava o tempo a sussurrar-me ao ouvido que queria sentir o sabor da minha iguaria. Ela confessava-me vezes sem conta que morria de curiosidade de me ver nu, de me vez excitado. Ficávamos os dois de água na boca, só de imaginar esse momento...

Todos os dias eu ia para casa demasiado excitado, quase com vergonha de andar na rua, porque não conseguia esconder o volume nas minhas calças...

Naquela tarde de Inverno, chovia bastante, e o nosso chapéu-de-chuva foi insuficiente para nos abrigar, e não podíamos continuar no “nosso banco”, e fomos namorar para uma casa velha e abandonada, mesmo no final da rua. Ficamos pela primeira vez, os dois sozinhos, sem ninguém a olhar para nós.

Ela não perdeu a oportunidade e perguntou: “Posso?!” – eu sorri e tremi, vi no rosto dela uma expressão que nunca tinha visto, ela estava a salivar mesmo antes de provar. Apenas abri os botões das calças e ela fez questão de ser ela a tirá-lo para fora. Parecia uma barra de ferro, hirto e duro. Ela corou quando lhe tocou, mas os olhos dela brilharam quando o agarrou.

Ela começou a deliciar-se com um simples beijo, acariciou-me suavemente, sem saber bem o que fazer. Primeiro tocou-lhe com a língua e depois com os lábios em toda a sua extensão. Entretanto ela ajoelhou-se, e olhou-me bem nos olhos. Que sorriso atrevido que ela me fez. Os olhos dela continuavam a brilhar.

Lambeu, beijou e acariciou-o na sua cara, enquanto eu assistia a tudo com as pernas a tremer de tão nervoso que estava. Ela começou a ser mais ousada e percebeu que me levava à loucura, sempre que engolia tudo até a minha ponta lhe tocar na garganta. Não sei como aguentei tanto...

Ela já se tinha apercebido que eu adorava que ela se concentrasse a chupar só na cabeça, e quando sentia a minha respiração ficar ofegante demais, dava um apertãozinho, logo abaixo da cabeça para retardar mais a minha explosão. Boa técnica.

Ela estava a por em prática tudo o que já tinha lido nas revistas de adolescentes e em sites sobre sexo que ela adorava consultar. Na teoria ela dominava perfeitamente o assunto e só lhe faltava a prática, e pela primeira vez ela tinha na mão, a matéria-prima que ela desejava. Ela não conseguia parar de chupar, e aquilo estava a dar-lhe efectivamente muito gozo. A mim também.

Eu não aguentava mais, e foi apenas isso que fui capaz de lhe dizer: “Eu não aguento, não aguento mais” então ela, com aquela mão com as unhas pintadas de vermelho, tentou mais uma vez travar os acontecimentos, mas desta vez não conseguiu, e eu sujei-lhe a cara de uma forma totalmente descontrolada, e um pouco corado rematei: ”eu avisei… não consegui evitar mais…

Ela não ficou nada incomodada ao sentir tudo a escorrer no seu rosto, e assim, sentiu pela primeira em contacto com a sua pele, tudo o que eu tinha para lhe oferecer.

Depois daquela tarde, esquecemos “o nosso banco” e passamos a ir todos os dias para “a nossa casa”... O que mais iria acontecer entre aquelas quatro velhas paredes??? Até onde iria a nossa curiosidade e imaginação?

Foto: Oliver Eltinger (Corbis.com)

Mãos Magicas


Eu continuava desempregado, e estava a ser muito difícil conseguir arranjar um emprego na minha área profissional. Pelo facto de estar sem nada para fazer, resolvi tirar um curso de massagista, e posso dizer que foi uma experiência que eu adorei. 

Assim que obtive o certificado com o aproveitamento do curso, decidi colocar um anúncio no jornal, para tentar ganhar algum dinheiro extra, ao subsídio de desemprego. No anúncio, coloquei especificamente que só fazia massagens a senhoras, e efectivamente apenas elas respondiam.
As mulheres que apareciam rondavam sempre entre os 25 e 35 anos. Elas adoravam sentir o óleo no seu corpo, e o dedilhar dos meus dedos. Normalmente quando elas chegavam, eu pedia-lhes que ficassem à vontade, e que se quisessem poderiam ficar totalmente sem roupa, pois era mais fácil para poder massajar o corpo na totalidade. 

As mais tímidas não tinham coragem de tirar tudo, mas a maioria, não tinha complexos de ficar como vieram ao mundo.

Naquela tarde, como era normal, espalhei o óleo no corpo daquela mulher, e percorri com as minhas mãos, todo aquele corpo. Massajei suavemente os ombros, percorrendo as costas de uma forma discreta e delicada, fazendo apenas sentir a ponta dos meus dedos, tocando em todas as zonas erógenas. 

As minhas mãos passavam pelo rabo, e desciam pelas pernas, até chegar à zona onde eu gostava de dedicar mais tempo, os pés. Comecei por massajar a sola dos pés, calmamente, e logo de seguida junto aos tornozelos. 

Depois, dediquei-me a cada dedo, massajando-os e esticando-os. Sempre senti que as mulheres adoravam isso. De seguida, pedi que ela se virasse de barriga para cima, e as minhas mãos começam a subir por aquelas pernas, tocando nos joelhos, e acariciando de uma forma sensual as suas coxas.

O que é certo, é que quando comecei a subir, reparei na forma que aquela mulher estava excitada, e entregue à magia das minhas mãos. O líquido da sua excitação, brilhava nas suas coxas, destacava-se do óleo que lhe tinha colocado, e brilhava de uma forma especial, escorrendo de uma forma intensa. 

Era a primeira, que uma mulher massajada por mim se comportava assim. Os seus mamilos também se destacavam.

A minha mão tentou recolher aquela excitação, mas o simples tocar do meu dedo ainda a deixou mais em ebulição. Decidi então avançar com a minha massagem, para uma zona que não era habitual, e aplicar uma técnica que tinha aprendido no curso, que era a “Massagem Yoni”. 

Esta massagem potencia fluxos de energia, que causam espasmos, que se vão intensificando, até se atingir transcendentais sensações de prazer. É uma técnica que activa os principais pontos de prazer, que acaba por desencadear uma interminável cadeia de orgasmos múltiplos. É uma experiencia de êxtase total para uma mulher.

Seria a primeira vez que eu iria experimentar essa técnica, mas mal comecei a tocar nos pontos iniciais para lhe desencadear intensas sensações de prazer, toquei muito provavelmente no ponto mais sensível daquela mulher, o que lhe provocou algo que eu nunca tinha assistido na minha vida, e que era um fenómeno que eu pensava ser um mito, que era a ejaculação feminina. 

Nunca tinha visto tal coisa. Um jacto de um líquido quente e transparente, saiu de dentro daquela mulher, atingindo o meu rosto e o meu peito, enquanto ela se rebolava de uma forma totalmente descontrolada, a saborear cada segundo de prazer. Aquela mulher ficou uma assídua frequentadora da minha casa, e dizia que eu era dono de umas “mãos mágicas”. 

Comecei a usar esta técnica, sempre que me apercebia que uma mulher estava excitada e com vontade de algo mais, e consegui levar muitas mulheres à loucura. Elas adoravam os meus dedos.
Foto: Dex Image (Corbis.com) - Clica para ver Video

Sorriso no Arquivo

A pessoa responsável pelo arquivo da empresa era a Vânia, uma mulher de poucas conversas, nenhuns sorrisos. Nunca ninguém a tinha visto a sorrir, e isso era efectivamente um tema que era falado por todos. As poucas conversas que se conseguia manter com ela, era sempre de índole profissional, e ninguém sabia nada sobre a sua vida. Ninguém sabia onde ela morava, se era casada, se tinha filhos, etc.

O arquivo central da empresa, ficava situado na cave do edifício, e ela era a única pessoa que lá trabalhava. Eu ficava sempre fascinado a vê-la passar, não tanto pela sua beleza, mas acima de tudo do seu estilo ousado de se vestir. A Vânia adorava vestir-se de branco, situação que muitas vezes permitia que se visse, praticamente na perfeição, e de forma bem definida, a sua roupa interior. Algumas vezes, talvez propositadamente, ela trazia uma lingerie escura, por debaixo de um vestido branco. Todos os homens focavam o olhar naquele corpo.

Naquela tarde, tive de ir fazer um trabalho no arquivo, junta da Vânia. Eu enquanto desci as escadas, vi a Vânia em passo acelerado, a sair do WC. Os meus olhos como sempre fixaram-se naquele corpo, e notaram algo de diferente. Debaixo daquele vestido branco, não existia roupa interior. Desci as escadas sem fazer barulho, entrei dentro do arquivo e escondi-me atrás de uma estante cheia de pastas. Eu tinha de confirmar a imagem que tinha acabado de chegar ao cérebro. Seria realidade ou uma alucinação?

Eu atrás daquela estante, conseguia ver a Vânia sentada na sua secretaria, mas não conseguia confirmar se estava ou não com roupa interior vestida. Entretanto, vi que ela retirou de dentro da sua mala, um baton, e ficou com ele na não, no entanto achei estranho o ruído que aquele simples baton estava a fazer. Ela colocou aquele objecto, cuidadosamente no meio das suas pernas, sempre com aquele ruído de fundo. Foi nessa altura que se fez luz na minha cabeça. Aquilo era um pequeno vibrador com formato de baton, pois eu já tinha visto algo parecido à venda numa sex-shop, e achei bastante curioso.

O mais interessante é que ela com aquele aparelho colocado dentro de si continuou a trabalhar, como se nada se passasse. Decidi sair do anonimato, e deslocar-me até junto dela. Foi fantástico, mesmo com aquele pequeno ruído de fundo, ela nunca vacilou, e comportou-se como se nada tivesse a acontecer, mas a verdade é que ela tinha aquele pequeno vibrador em acção, dentro dela. Ela nunca se levantou daquela cadeira, nem fez grandes movimentos. Eu propositadamente, fiquei junto dela, a recolher alguns documentos de pastas. O tempo começou a passar, e eu comecei perceber que ela estava a ficar bastante inquieta. Não parava quieta naquela cadeira.

Eu comecei a perceber que ela já estava a atingir um ponto sem retorno. Eu olhei para ela, olhos nos olhos, e ela de um forma bastante contida, e controlada, e com os dentes serrados, começou a emitir deliciosos e silenciosos gemido de prazer. Apercebi-me que a sua sensação de prazer estava a prolongar-se, e estava a ser muito intensa.

No final, quando me apercebi que a satisfação se tinha propagado por ondas de prazer, por todo o seu corpo, os seus olhos irradiavam alegria, e ela ofereceu-me um fantástico sorriso, num rosto com as faces rosadas. Estávamos os dois sem palavras, eu não sabia o que lhe dizer, e ela também não.

Ela retirou de dentro de si aquele objecto, com forma de cosmético feminino, colocou-o na minha mão, de forma a eu poder sentir como estava quente, e saiu da sala do arquivo, em direcção WC. Foi nesse momento que eu consegui confirmar, que debaixo daquele vestido branco, efectivamente não existia roupa interior.

Desde esse dia, sempre que eu tinha de ir fazer algum trabalho ao arquivo, ela oferecia-me, o seu doce e carinhoso sorriso, acompanhado do seu habitual ar sensual e misterioso.

Foto: Autor desconhecido (Corbis.com)

O Cheiro da Margarida

Eu era puto, e durante as férias de verão juntava-me sempre com o meu vizinho Chico para passar o tempo. Íamos para a praia, piscina, jogávamos consola, passeávamos de bicicleta, todos os dias eram aproveitados ao máximo até ao pôr-do-sol.

Nessa tarde, apesar do calor, ficamos a tarde toda a fazer um campeonato de futebol na consola. Por volta das 16.30h chegou a Margarida, a irmã mais velha, vinda da piscina. Deixava um rasto atrás de si de cheiro a bronzeador. Cabelo ainda húmido. Pele Morena.

Tinha passado a tarde toda com os namorado a aproveitar a piscina do condomínio. Ela mal olhava para mim, mas eu olhava muito para ela. Era uma rapariga fantástica. Cabelo comprido, olhos rasgados, longas pestanas e com a pele bem bronzeada pelo sol.

Ela entrou em passo acelerado, e foi para o quarto, tirou o bikini, e vestiu apenas um paréu. Saiu rapidamente a dizer que não sabia as horas que voltava.

Numa das pausas do jogo, quando fui ao WC, passei à frente da porta do quarto da Margarida, e ousei entrar. Olhei, e no chão, ao lado de uns sapatos, estava o bikini dela, que ela tinha acabado de despir do seu corpo. Baixei-me, e apanhei a tanga, e não hesitei em cheirar. Fiquei alterado, fora de mim. Nunca imaginei sentir o cheiro mais íntimo da Margarida. A minha libido gritou. Que delicia, que loucura, que tesão…

Sentei-me na cama, fechei os olhos e respirei fundo, queria que aquele cheiro entrasse bem dentro de mim, e nunca mais saísse. Beijei aquele tecido para sentir o seu sabor…

Descontrolei-me, estava tão excitado, que baixei os calções até os joelhos, e toquei com aquele tecido que até alguns minutos atrás estava colado à sua zona mais íntima, toquei-o na minha excitação. A minha mente era um turbilhão de imagens da Margarida, em todas as posições em que eu a queria ter para mim. Se a minha mão esquerda segurava aquele bikini rosa, e o fez ir novamente até junto do meu rosto, a minha mão direita procurava me satisfazer.

A ponta do meu dedo indicador tocava na ponta do meu polegar, criando uma forma similar a um anel, que subia e descia sobre a minha excitação, dando-me uma terrível sensação de prazer e penetração. Variava o ritmo, de modo a aumentar o meu prazer, sempre com aquele cheiro no meu nariz, e a imagem da Margarida na minha imaginação.

Com a ponta do indicador, recolhi um pouco do líquido que eu já tinha criado no topo da minha excitação, e resolvi espalha-lo nos meus lábios, imaginado um beijo da Margarida depois de provar a minha intimidade.

Apertei-me com força, e fixei os olhos numa foto que a Margarida tinha sua, na mesa-de-cabeceira, e aumentei para o ritmo que me obrigou um delirante momento de prazer, e fiz questão de depositar todo o meu secreto prazer no seu bikini.

Mesmo sujo, voltei a coloca-lo no sitio onde o encontrei, e regressei ao quarto do Chico, a quem não foi fácil explicar a minha demora.

Ainda hoje, não consegui esquecer o delicioso cheiro da Margarida…

Foto: Susanne Dittrich (Corbis.com)

Quente Descanso


Eu e o Aguinaldo andávamos esgotados, pois tínhamos um trabalho importante para entregar na faculdade, e o tempo começava a escassear.

Para optimizar o tempo, nos três dias antes da entrega do referido trabalho, passávamos os dias em casa dele, para perder o menor tempo possível.

O Aguinaldo era filho de um Ministro Angolano, e estava a viver num apartamento no Restelo, com uma fantástica vista sobre o Rio. Ele tinha uma vida abastada, e dinheiro era coisa que não faltava aquela família.

Na véspera da entrega do trabalho, nós já tínhamos quase tudo concluído, e ao final da tarde, sentamo-nos no sofá para tentar descansar um pouco. Ele decidiu pôr um DVD, que muito me espantou pelo facto de ser pornográfico. Estava nervoso, não estava em minha casa e não sabia se poderia chegar alguém ou não, até porque os pais dele vinham muitas vezes a Lisboa.

Fiquei ainda mais sem reacção quando me deparo com o facto, de ele começar a despir-se. Fingi não ver. Fixei os meus olhos naquele grande ecrã, onde podia ver uma cena em que estavam duas mulheres e um homem. Eu não queria acreditar que ele estava ao meu lado com um assunto bem duro entre mãos.

Ele percebendo o meu embaraço, logo me deixou à vontade ao dizer que os pais estavam em Angola. Admito que estava excitado com o que estava a ver na TV. Ele pediu-me desculpa, mas disse-me que era a melhor maneira de relaxar e de aliviar o stress que o estudo lhe causava. Acabei por ficar mais calmo, e fiquei também mais à vontade. Baixei as minhas calças e fiquei ali, lado a lado com ele, os dois bem excitados.

O que eu não estava à espera, é que a mão dele me tocasse, e me apertasse. Que sensação esquisita senti eu. Que misto de sensações, mas o que é certo, é que o prazer que senti falou mais alto. Eu involuntariamente acabei por o imitar, e a minha mão agarrou algo negro e grande, tão grande como algo que eu nunca tinha presenciado.

Bonito cenário, dois belos rapazes agarrados ao que cada um tem de mais duro. Ele parecia querer mais e acabou por se ajoelhar à minha frente no sofá. Mais uma vez o prazer falou mais alto do que a quantidade de questões que se levantavam na minha cabeça.

Ele tem uma namorada linda, fantástica, e está com a boca a satisfazer-me? Não sei se era a primeira vez que ele estava a fazer aquilo, mas ele sabia fazer bem, posso até confessar que melhor do que as mulher com quem eu já tinha estado. De repente ele parou, olhou-me nos olhos, e sentou-se novamente ao meu lado. Não sei o que se passou comigo, mas algo fez com que fosse imitar exactamente o que ele me tinha acabado de fazer.

Ajoelhei-me à sua frente e coloquei tudo na minha boca. Fechei os olhos e saboreei o prazer que lhe estava a dar. Nunca me tinha imaginado numa situação daquelas. Os meus lábios percorriam-no, num sobe e desce ritmado, até que o Aguinaldo pediu-me que eu parasse.

Voltei-me a sentar ao lado dele, e ele soube agarrar-me no sítio certo, impondo um ritmo perfeito. Eu mais uma vez voltei a imitá-lo e acabamos os dois com o nosso prazer quente, a escorrer nas mãos um do outro.

Depois disto voltamos ao nosso trabalho, que conseguimos entregar a tempo, e isto foi um tema que nunca foi falado entre os dois. Confesso que durante alguns dias reflecti sobre o que aconteceu, mas nunca questionei a minha sexualidade. O que aconteceu foi bom, mas eu gosto mesmo é de mulheres. Foi apenas uma experiência.

Hoje ele é um homem casado e ocupa um cargo bastante importante em Luanda.

Foto: Fancys (Corbis.com)

A sessão continua...

Depois de nos contar uma aventura, a minha leitora brasileira ganhou coragem e decidiu contar outra das suas história... 
Fiquei cheio de inveja, mas adorei...

 
Eu não sou modelo! Mas há tempos queria fazer um book fotográfico, imortalizar minha juventude em fotos... Mas me faltava coragem...

Ocorre que eu tenho um amigo fotógrafo, que conheci pela internet, mas que acabou por ser tonar um bom amigo, com quem sempre falo. Bem, este amigo vive em outro país, mas estava vindo de viagem para o Brasil, acordamos que faria as fotos com ele.

Eu sou brasileira, conforme disse em outro conto. 25 anos, alta, magra, cabelos castanhos e longos, seios grandes.

Ele espanhol. Apesar de amigos, a verdade é que sempre tive uma forte atração por ele, e já havia me masturbado muitas vezes, pensando neste homem, após nossas conversas no Skype. Ele tem cerca de 30 anos, e um olhar sedutor, fico imaginando aquele olhar por trás da câmera fotográfica a “mirar-me”. Vendo suas fotos, de modelos lindas e sexys, não posso negar, isso me excita e me causa ciúme também, rs.

Bem ele chegou ao Brasil e marcamos a sessão de fotos em um estúdio de um amigo dele, também fotógrafo. Estávamos só ele e eu, era um domingo, o estúdio estava fechado. Levei minhas roupas, a maquiagem, e ele sua câmera.
Estava tranquila por se tratar de um amigo, mas um pouco excitada pelo encontro. Sozinhos, ele e eu, ali... Mas não tinha certeza se ele sentia o mesmo.

Começamos as fotos, eu um pouco tímida ainda. Ele disse que tinha uma surpresa, que trouxera um vinho de sua terra e que certamente eu ficaria mais “solta”. Uma, duas, três, taças de vinho... Muitas fotos e trocas de roupas. Ele sempre muito profissional, eu cada vez mais “sem vergonha”.

Comecei a tomar coragem e colocar roupas mais sensuais... Acho que ele também ficou empolgado... Elogiava e eu me empolgava mais, mas sempre de forma profissional!

Então ele perguntou se eu não queria fazer fotos de biquíni também... Eu gostei da ideia.

Já estava completamente molhada, com todo aquele contexto, o vinho, as fotos, as roupas, e olhar dele, que era ainda mais gostoso do que eu imaginava.

Coloquei o biquíni e recomeçamos as fotos... Ele parecia bem mais “estimulado” agora, e acho que já via um volume na sua calça. Ele então pergunta se não quero fazer algumas fotos sem o biquíni. Eu louca de vontade e de vergonha, digo que não. Ele diz, com todo profissionalismo do mundo, que somos amigos, que seria um segredo nosso, que eu deveria tirar pelo menos a parte de cima do biquíni, afinal top less é uma coisa muito normal hoje, não?

Eu nada respondi e desamarrei as cordinhas do biquíni, vermelha de vergonha e molhada de tesão. Com os seios à mostra, já não podia disfarçar, os bicos duros me denunciavam. E a calça dele parecia estourar, mas ele mantinha o profissionalismo e a sessão continua... rs

Então, ele diz: - Acho que essas fotos não estão muito boas!

Por um segundo eu fico totalmente constrangida, ele se aproxima e continua: - acho que se os bicos dos seios estivessem mais duros e molhados ficaria mais bonito e sexy, você não acha? E antes que eu pudesse pensar ou responder qualquer coisa, ele abocanha meu seio, e chupa de uma forma incrível, um e outro, dizendo: - agora sim! Pisca o olho e volta a fotografar, como se aquilo fizesse parte das fotos...

Eu já completamente louca... Após alguns minutos tomo coragem e tiro também à calcinha, sem nada dizer. Ele, sempre profissional, rs, continua as fotos. Eu, cada vez mais sem pudor, mudo as posições e abro as pernas.
Acho que dessa vez ele não aguentou e disse: - ao contrário dos seios, você assim tão molhada aí em baixo, atrapalha as fotos, deixa eu te ajudar e cai de boca nela. 

Adeus fotos, yes sexo! Ele me chupando e eu tendo gozos convulsivos... Os famosos orgasmos múltiplos femininos!

O tesão era tamanho que não tivemos tempo pra muitas preliminares, ele me colocou de quatro e penetrou de uma só vez. 

Fuder é uma arte, que nem todo homem domina, mas ele o fazia com maestria. O bom do sexo não é a velocidade, mas sim a intensidade. E me fodia de um jeito que nenhum outro homem fez... 

Uma penetração profunda, em um ritmo compassado, que me fazia sentir todo ele dentro de mim, cada centímetro me preenchendo. Enquanto me penetrava, acariciava meu corpo com as mãos e me deixava cada vez mais louca. Fudendo gostoso assim, gozamos juntos. E a sessão continua... rs

Prazer Inesperado



Os 1000 seguidores do meu blog merecem tudo, e assim decidi dar a mão a uma das minhas leitoras, que apesar de estar longe, no Brasil, é uma fiel critica das minhas histórias. 

Ela arriscou e decidiu contar-nos uma experiência sua.. vamos ler e comentar???? eu gostei...


Este é o meu primeiro conto, é um conto real. Vou começar com o contexto da história, pra chegar a ela.

Bem, sempre fui uma mulher fogosa, gozar, nunca foi um problema pra mim, ao contrário do que dizem muitas mulheres. Gozo com tanta facilidade, que sou capaz de gozar simplesmente contraindo a musculatura da vagina. Aliás, vagina é um termo muito “politicamente correto” pra um conto erótico, não? Rs. Vamos substituir por buceta, como se diz aqui no Brasil.

A propósito, sou brasileira. Mas não dessas brasileiras míticas, mulatas de bunda grande. Não me considero uma mulher linda, como normalmente se descrevem todas nos contos eróticos. 

Sou uma mulher normal, pele clara, cabelos longos, lisos e castanhos, magra. Meu diferencial está nos seios que são grandes e duros. Bem, até hoje, os homens não costumam reclamar. Tenho 25 anos, alguns ex-namorados e alguns ex-affairs. Tenho alguma experiência sexual, rsrs. Estou solteira há cerca de 2 anos.

Tenho, sobretudo experiência com masturbação. É um hábito pra mim, um delicioso hábito. Faço isso todos os dias, algumas vezes por dia, às vezes. Quando acordo e antes de dormir. 

Quando fico em casa, no final de semana, me masturbo várias vezes no mesmo dia, certo domingo, gozei 06 vezes. Já tive quer ir às pressas ao banheiro da faculdade ou do trabalho, por não estar suportando a vontade de gozar, loucamente, ainda que sozinha. 

E por diversas vezes cheguei atrasada à faculdade, mesmo em dias de provas, só pra ter o prazer de orgasmo matinal. Apesar disso, não costumo fazer sexo com muitos ou quaisquer homens, talvez por isso mesmo, aprendi o prazer solitário.

Pra me ajudar nessa tarefa tem um consolo maravilhoso, um vibrador em formato de pênis, ou pau, como se diz no Brasil, grande e grosso. Isso, porque apesar de tudo que já disse, tenho ou tinha, uma grande limitação: eu nunca tinha conseguido gozar apenas tocando o clitóris, batendo uma sirica, como dizemos aqui. 

Eu só gozava com penetração, penetração de qualquer coisa, pau, vibrador, dedos ou no máximo, contraindo a musculatura da buceta. Nunca, jamais, com nenhum homem ou eu mesma acariciando o clitóris ou um homem me chupando a buceta, por mais que ele chupasse maravilhosamente, eu nunca, JAMAIS GOZAVA, e isso sempre foi uma frustração pra mim e meus parceiros.

 
Vamos ao conto...
Eis que um dia conheci um canadense em um bar muito frequentado na cidade que moro aqui no Brasil. Ele não é o homem mais bonito com quem já estive. Um homem comum. Mais velho que eu, 38 anos, inteligente, engraçado, estatura mediana, olhos azuis, corpo normal. Mas ele tinha um beijo e um toque enlouquecedores, que me faziam querer fazer sexo com ele, logo e em qualquer lugar. Mas me segurei e ficamos apenas nos amassos quentes no bar. Ele tocava discretamente os meus seios na frente de todos, mas sem que ninguém visse e isso estava me enlouquecendo.

No final da noite trocamos MSN, Facebook, telefone, essas coisas, ele estaria no Brasil até o carnaval, de férias. Marcamos um cinema.

O filme era legal, O Turista, lançado recentemente, mas o que prendia minha atenção eram nossos beijos e as mãos dele no meu corpo, mais uma vez ele me acariciava, sem que os outros percebessem, mas o fato dele tocar meus seios, minha buceta, ali, publicamente, me deixava completamente louca. Não resisti e também coloquei minha mão no seu pau. Nossa como estava duro, a ponto de furar a calça. Que loucura segurar essa vontade...

Na saída do filme, ele tenta me arrastar pra o banheiro, eu de vestido...

Mas fiquei com medo de sermos pegos. No banheiro, eu nem teria por onde fugir. Eis que avistei as escadas de saída de emergência e fomos pra lá, loucos por sexo, muito embora eu não tivesse coragem.

Ele me beijava e acariciava meu corpo, meus seios, minhas coxas, minha bunda, como se fosse a primeira e a última vez que tocava uma mulher e eu estava a ponto de dar pra ele ali mesmo.

Então ele começa a tocar minha buceta, acariciar meu clitóris, uma sirica... Eu pensei em pedir pra parar, afinal, até ali eu nunca sentia prazer algum nesse tipo de carícia, às vezes, até desconforto. Mas deixei um pouco, para ser educada... rs

Não sei como, nem porque, mas algo surpreendente aconteceu, comecei a gozar loucamente, como nunca havia experimentado. Não aguentei e comecei a gemer, alto, descontrolada, não pensava em mais nada no mundo, era apenas uma fêmea no cio, um animal em gozo.

Acho que fiz barulho demais, ouvimos passos em nossa direção, rsrs, desespero total, rs. Rapidamente saí do transe, arrumei a calcinha, desci o vestido e tentei descer as escadas, mas vi que de lá vinha um homem, então, voltei correndo, peguei o elevador e ele, o canadense, desceu as escadas. Encontramo-nos na saída do cinema rindo muito, deu tudo certo. E eu realizada, pelo gozo novo e inesperado.

Estou ainda na expectativa de sentir a boca dele, me chupando lá embaixo, acho que neste caso não terei como resistir. A transa vai acabar acontecendo, antes que ele retorne ao Canadá. No Carnaval quem sabe? Conto pra vocês... rs