* Prima Olga


Foi durante o Mundial de Futebol na Coreia do Sul, os meus tios tinham-se deslocado aquele pais, para ver o jogo da Selecção Portuguesa ao vivo, e a minha prima Olga ficou a dormir lá em casa.

Tínhamos apenas diferença de um ano, mas sempre nos demos bem. Ela era uma rapariga muito tímida, sempre com uma bandolete negra a segurar o cabelo, uns óculos de massa Rosa, e com um olhar reservado, sempre apontado para o chão. Ela passava os dias a ler, ela adorava romances e histórias de amor, mas nunca ninguém lhe conheceu um namorado.

Devido ao fuso horário, os jogos davam tarde na televisão e eu fiquei a ver, enquanto ela se foi deitar na outra cama existente no meu quarto. A cama era do meu irmão mais velho, do tempo em que ele ainda vivia lá em casa.

Mal o jogo terminou, tomei um duche rápido, fui para o meu quarto e reparei que ela já estava a dormir. Entrei sem fazer barulho. Como nesse verão estava muito calor, apenas me deitei de boxers em cima da cama. Estava tanto calor que não conseguia dormir, mas lá estava eu, deitado de olhos fechados à espera de adormecer.

Até que senti a Olga a levantar-se da cama. Fingi não reparar. Fui discreto. Ela veio na minha direcção, com o cabelo solto e sem os habituais óculos, como eu nunca a tinha visto. Passou com a sua mão pelo meu rosto, para verificar que eu já dormia. Eu não reagi. Ela segura que eu tinha adormecido, percorreu a sua mão pelos meus abdominais e entrou com ela para dentro dos meus boxers. Foi impossível não reagir a um estímulo daqueles e rapidamente fiquei com a mesma rigidez de uma barra de ferro. Era isso mesmo que ela queria.

Eu não estava a acreditar que a minha própria prima me estava a fazer aquilo, mas permaneci imóvel com se estive a dormir o sono descasando. Ela baixou-me os boxers até aos joelhos bem devagar, sem qualquer movimento brusco, e deu-me um verdadeiro festival com a sua língua e com os seus lábios.

Ela parecia estar a experimentar algo que nunca tinha feito, provavelmente algo que apenas sabia na teoria e que finalmente arriscou colocar na prática. Eu não conseguia acreditar, que a minha prima Olga, aquela menina tímida, que nunca ninguém viu na companhia de um namorado me estava a fazer aquilo.

Ela percorreu-me bem devagar, tocando com a ponta da sua língua, de um modo bem sensual, todas as minhas partes que se encontravam mais sensíveis. De certo modo, parecia que era a primeira vez que ela tocava e saboreava um homem, mas por outro lado, ela fazia aquilo com extrema qualidade.

Saboreou todas as curvas e todos os recantos do meu corpo, desde o meu peito até os meus joelhos, com uma qualidade quase profissional. Recolheu para si, todo o melaço que já escorria em mim, saindo do meu corpo, e que significava que eu já me encontrava preparado para tudo.

Logo de seguida, depois da sua boca e da sua língua, de forma competente, terem tocado suavemente na minha pele, ela foi mais intensa e fez-me tocar no fundo da sua garganta de uma forma formidável, que me deixou sem reacção. Ela chupou-me como eu nunca tinha sido chupado. Ela sugou-me fortemente, enquanto a sua mão estava pousada na minha barriga. Foi impossível resistir, e tudo o que saiu de dentro do meu corpo, fico junto da sua garganta. Logo de seguida, ela regressou para a sua cama tapando-se por completo e eu acabei por adormecer.

Na manhã seguinte, lá estava a minha prima Olga, com o seu ar inocente e tímido, com os seus óculos de massa cor-de-rosa e com a sua bandolete negra, a tomar o pequeno-almoço em família, como se nada tivesse acontecido. Nunca tive coragem para falar-lhe deste assunto, e o comportamento dela nunca mudou. Terei sonhado???

Foto: Gabriela Medina (Corbis.com)

* Tenda dos Segredos

A Márcia queria ir ao Summer Fest, festival de verão que ia decorrer na Ericeira, mas ninguém estava na disposição de acompanha-la. Os artistas em cartaz não se destacavam nas preferências do nosso grupo de amigos.

A Elisa era minha amiga e conhecia a Márcia, e quando lhe falei do assunto, ela disponibilizou-se para acompanha-la, até porque ela adorava a Ericeira, e todos os motivos eram bons para regressar aquela vila de pescadores. Eu ajudei, e disponibilizei-lhe a minha pequena tenda de campismo. Os motivos eram diferentes, mas seguiram as duas radiantes para aqueles 3 dias de festa.

Aquela pequena tenda já registava algumas histórias, e mais uma vez aconteceu algo especial. A Elisa e a Márcia acabaram por ficar amigas. A Elisa tinha um desejo secreto, que os amigos mais próximos sabiam, ter uma experiência com uma mulher. Ela era curiosa e esclarecida nas suas opções, mas gostava de viver essa sensação.

Tudo se precipitou no balneário, durante do duche, quando a Márcia confidenciou à Elisa a dificuldade que tinha em sentir prazer no seu corpo. Ela desabafava dizendo que não sabia se o problema era seu, ou dos homens com quem tinha estado. Esta conversa só terminou dentro daquela tenda, num olhar cúmplice. As mãos tocaram timidamente os corpos. No silêncio, as coisas aconteceram. A roupa saiu, nos corpos docemente aromatizados, pelo gel duche com aroma de leite e mel, partilhado entre as duas.

A Elisa tocou-lhe, numa pele deliciosamente hidratada, gostou e desceu. Foi a primeira vez que ela tocou onde desejava. Os seus dedos foram carinhosos, acariciando suavemente aquele recanto feminino. O instinto da Márcia obrigou-a a abrir as pernas, e a Elisa correu atrás daquele instinto com a magia da sua língua. Tocou, sentiu e lambuzou em redor do ponto central de todo aquele desejo. Os dedos afastaram ligeiramente aquela zona perfeitamente depilada e a língua tocou mesmo no meio, com lentos movimentos de caricia.

O movimento da língua acelerou calmamente, e um dedo acabou por entrar dentro do corpo da Márcia. O dedo entrou e saiu, enquanto a língua continuava com movimentos saborosos, no ponto onde mais se salientava o seu desejo. Estavam as duas perfeitamente deliciadas e entregues ao momento que se prolongou por vários minutos. O corpo da Márcia tremeu, numa sensação inédita na sua vida. Ela mordeu a sua roupa para evitar gemidos descontrolados. Foi a primeira vez que sentiu o verdadeiro prazer…

A Elisa tinha acabado de provar o seu desejo mais secreto. Ela ficou deliciada por oferecer aquele momento de prazer à sua companheira de campismo. No exterior daquela tenda a agitação era grande, mas ninguém imaginava o que tinha acabado de acontecer naquele pequeno espaço.

Acabaram por se vestir e sair a duas para o festival e para os concertos daquela noite. Ficaram mais cúmplices e próximas do que nunca. Toda noite foram cúmplices e secretas com mil segredos e sussurros ao ouvido. A Márcia prometia: “…quando regressarmos à tenda, vai ser a tua vez...

Foi o que aconteceu… Esta história foi-me contada pelas duas. Depois do festival terminar, a Márcia fez questão de se encontrar comigo no dia seguinte, para agradecer a companhia da minha amiga. Ela estava deliciada, e parecia outra mulher. Contou-me tudo o que aconteceu ao pormenor. Ela pediu-me segredo.

Entretanto a Elisa passou em minha casa para me devolver a tenda. Ela confidenciou-me a realização dos seus desejos mais íntimos. Fez questão de descrever-me os deliciosos momentos que viveu, e todas as sensações que sentiu. Ela estava verdadeiramente realizada. Ela pediu-me segredo.

Ficou um segredo dos três. A minha tenda já tinha sido testemunha de bons momentos e aventuras secretas, mas agora, depois das aventuras femininas na Ericeira, passou a ser também a tenda dos segredos…

Foto: Jamie Grill (Corbis.com)

* Fantasia de noiva


Vivia-se o espírito do São João na cidade invicta, e foi na multidão que reencontrei uma estrela especial da minha vida, a Maria. Aquele rosto e o brilho dos seus olhos castanhos são coisas que a minha memória não esquece. Ela estava incrivelmente alegre num grupo de amigas. A noite era de festa. Tentei aproximar-me mas não tive coragem para fazer uma abordagem, eu era mais velho do que ela, e tive medo da rejeição. Confesso ter sentido borboletas na barriga. Sempre adorei o seu cabelo escuro, nos seus ombros. Lembro-me perfeitamente dela no meu passado, com o seu ar adolescente em Portalegre, e agora era uma mulher, mais apetecível do que nunca. 

Os olhares acabaram por se cruzar, sentimos a atracção mas faltaram as palavras. Ela tentou evitar aquele reencontro, mas a multidão empurrou-me, e ficamos frente a frente. Foi inevitável, e quase ficamos esmagados, com os típicos martelos a bater-nos nas cabeças, mas eu falei: “olá, és a Maria não és?”…a troca de palavras foi muito breve e foi interrompida pelas amigas que queriam voltar para casa… a noite já ia longa e o álcool já fazia os seus efeitos sobre elas…

Ela desapareceu na multidão. Eu queria voltar a vê-la, queria voltar a falar com ela, e quando cheguei a casa tentei descobri-la no Facebook. Bingo!! Encontrei… Convidei-a como amiga, e passei o resto da noite a ver as suas fotos. Fiquei deliciado. Descobri que ela estava no Porto com um grupo de amigas na sua despedida de solteira, para desfrutar da cidade. Ela estava noiva. 

Decidi enviar-lhe uma mensagem privada de parabéns, mensagem que ela respondeu de imediato. Ficamos online a trocar mensagens, a conversar e a desvendar as nossas vidas… Acabei por desvendar-lhe e o meu desejo secreto por si. Trocamos provocações subtis mútuas. Ousei convidá-la para lanchar em minha casa naquela tarde. Ela aceitou e sentiu que o meu convite não foi inocente. Ela estava comprometida, mas secretamente confidenciou o desejo de voltar a viver um momento puro de sexo, de sentir uma novidade no seu corpo. Sentir uma inesperada adrenalina. Sexo por sexo.

A sua estadia no Porto estava por horas, mas antes de regressar a Portalegre existia um ponto de paragem que se tornou obrigatório, a minha casa, num prédio recuperado na zona histórica do Porto, lindo e cheio de história. Eu aguardei ansiosamente a sua chegada e o meu coração quase explodiu quando a Maria tocou à campainha. Ela surgiu à minha porta, com um vestido negro, onde eram visíveis as ligas nas suas pernas. Sedutora. 

A porta abriu-se e ela passou a mão no meu rosto, e sentiu a minha barba de dois dias. Os sorrisos foram tímidos, mas denotavam sedução. Guardei o seu casaco e a sua mala, e mostrei-lhe a mesa na varanda, preparada para o nosso lanche, com vista para o Douro. Os scones estavam quentes. A nossa conversa parecia infinita confessando desejos do passado. Os meus olhos pararam muitas vezes no anel que ela tinha no dedo. Trocamos um meigo e carinhoso abraço. Senti-a frágil… e senti o seu coração a bater forte no meu peito.

Ela estava noiva, mas quis entregar-se. Beijei-lhe o pescoço demoradamente. Ela derreteu-se. Passado tanto tempo, realizei um desejo antigo ao sentir o delicioso sabor dos seus lábios. Ela continuava rendida à força masculina dos meus braços, enquanto as duas línguas se tocavam. Um momento demorado de partilha difícil de descrever. As minhas mãos tiram-lhe o vestido, comprovando a sensualidade do seu corpo feminino, numa lingerie negra. 

Deliciei-me com aquela imagem. Acariciei-a, tocando-lhe na sua pele e sentindo o seu arrepio. Ela queria as minhas mãos no seu corpo. Ela estava rendida, e antes que a Maria tivesse tempo de pensar ou desistir daquela loucura, eu senti a sua intimidade, e de uma forma vigorosa entrei dentro do seu corpo. Foi perfeita a sensação de sentir-me dentro dela. Ela era incrivelmente tenra.

Ela entregou-se de uma forma indescritível, e eu adoro mulheres que se entreguem assim… foi explosivo! Nós saciamos um desejo antigo, uma fantasia secreta, que se transformou num prazer único. Ela apertou-me no seu interior, e eu não queria sair, preenchendo-a por completo. Permaneci profundamente no seu corpo.

Acho que acabamos por perder a noção do tempo e da loucura, e o nosso prazer não se esgotava. Eu não conseguia sair de dentro dela. Fiquei com inveja do homem que ia casar com ela… Quando ficamos totalmente rendidos e exaustos, decidimos que seria melhor tentar esquecer tudo o que tinha acabado de acontecer, mas certamente esta seria uma promessa impossível de realizar…



Foto: Autor desconhecido

* Dupla de São João


Eu adorava a cidade do Porto, e como o meu amigo Gonçalo estava a estudar na Faculdade de Belas Artes da cidade, eu aproveitei a semana do S.João, para o visitar e para sentir o verdadeiro espírito da noite de festa na cidade.

A sua casa, junto à Av. Aliados, tinha uma vista fantástica sobre o Rio Douro. Logo no dia em que cheguei, o Gonçalo pediu-me o favor de receber uma colega de Faculdade que ia fazer um trabalho de grupo com ele, pois ele tinha uma entrevista de emprego e ia atrasar-se um pouco. E às 15h em ponto, chegou a Martina, baixinha, morena, olhos escuros, com um ar simpático mas com um olhar tímido. Sentou-se na mesa da sala, e começou a preparar o trabalho. 

Eu não gosto de ambientes silenciosos e comecei a conversar com ela. Inicialmente ela dava-me respostas curtas e directas, mas com a minha insistência mergulhamos numa conversa bastante interessante, e eu adoro mulheres mais jovens do que eu, com conversas interessantes e inteligentes.

Acabei sentado ao seu lado, e enquanto ela falava, ousei desviar-lhe o cabelo, e cheirar o seu pescoço. Senti que aquilo a perturbou. Com a voz trémula e nervosa ela disse:”é melhor não…”. Eu não consegui parar, e toquei-lhe com a minha língua no seu pescoço. Ela rendeu-se, e não disse mais nenhuma palavra. 

A minha língua continuou a tocar suavemente na sua pele, fazendo o arrepio percorrer todo o seu corpo. Ousei tocar-lhe no peito, e desviando-lhe a roupa, molhei o bico daquele pequeno mas perfeito peito, com uma língua que estava louca por lhe tocar, suavemente em movimentos circulares, em todo o seu redor.

E foi nessa altura que chegou o Gonçalo, e se deparou com aquele cenário na sua sala, e disse: “xiuuuu… não digam nada… vamos continuar…” Vamos continuar? Sim, o Gonçalo é um moreno sedutor que deixa as mulheres loucas, e muito provavelmente a Martina também tinha um fraco por ele. E foi assim, que o corpo pequeno e aparentemente frágil daquela jovem, foi sendo tocado suavemente pelas nossas duas línguas simultaneamente, uma língua no peito, outra na barriga, outra no umbigo, outra na sua perna, outra no seu pescoço, outra no joelho, outra em cima do tecido húmido e quente das suas cuecas…

Ela estava de olhos fechados a saborear aquele momento, e depois de lhe tirarmos toda a roupa, levamos aquele corpo quente e perfumado para a cama do Gonçalo. Eu tive o prazer de levar aquele corpo nu nos meus braços, como se tratasse de uma bandeja, pronta a ser servida. 

Eu e o Gonçalo também tiramos a nossa roupa, e estávamos preparados para dar início a uma ceia divinal. Eu fiquei admirado com o tamanho exagerado que o Gonçalo pousou nos lábios dela, e eu, calmamente com os dedos, abri o seu “cofre” rapadinho, e fiz a minha língua percorrer o seu leito quente e húmido, incrivelmente saboroso.

A Martina sugava o Gonçalo calmamente, aproveitado para saborear tudo o que entrava na sua boca. Eu, sentindo o seu corpo preparado, encaixei-me nele, de uma forma deliciosamente profunda. Dei-lhe tudo, primeiro calma e suavemente, mas depois bem forte, e era assim que ela queria, forte, de forma a sentir as minhas “bolinhas” bem cheias, a bater no seu corpo. De seguida, eu troquei com o Gonçalo, e ela gritou ao sentir algo tão grande dentro de sim, enquanto chupava o seu sabor, que eu recolhi no seu interior.

Mas foi naquele momento, que mesmo dentro dela, o Gonçalo parou, chamou-me, e disse para eu me colocar no único sítio que ainda não tinha sido preenchido no corpo da Martina. Com calma, sem pressa e muito cuidado, coloque inicialmente um dedo. Não sentindo qualquer resistência, preenchi com toda a minha tesão aquele recanto apertado, deixando aquela jovem com ar inocente duplamente preenchida. 

Ela estava louca, e os movimentos masculinos pareciam articulados, pois quando um estava a entrar, ou outro estava a sair, causando no seu corpo, um duplo impacto de prazer. Ela era pequena mas incrivelmente resistente, e deliciava-se profundamente com a intensa penetração de dois homens…

O Gonçalo não resistiu, e depositou um forte jacto dentro do seu corpo, e eu mais resistente, quis presentear aqueles doces lábios com tudo o que saiu de mim. Ela lambuzou-se de prazer, com um brilho no olhar próprio de uma mulher realizada. 

Eu adoro mulheres do Norte, são fogo, são loucura, são tesão, são prazer… e a Martina é um feroz exemplo de prazer… eu queria uma mulher como ela só para mim, e por ela eu começava uma vida nova… Faltavam 3 dias, e eu convidei-a para festejar comigo a noite de S.João …

Foto: KG-Photography (Corbis.com)

* Invisivelmente Delicioso


-->
Faltavam-me poucas cadeiras para terminar o curso, e como último folgo, comecei a estudar para os últimos exames, nas salas de estudo da Faculdade de Psicologia. Não ficava muito longe de minha casa, e o facto de não conhecer lá ninguém, aumentava a minha concentração, e reduzia os factores de distracção.


Era um espaço frequente praticamente por mulheres, mas naquele momento da minha vida, apenas me queria concentrar nos estudos.


No entanto, naquele final de tarde, quando cheguei, existia uma grande placa junto da entrada que dizia: “Girls Columbia University Welcome to Lisbon”. Fiquei curioso, e perguntei ao porteiro o significado daquela placa. Ele informou-me que todos os anos, em Junho, durante três semanas, a Faculdade fazia um intercâmbio de estudantes com Faculdades Americanas. Ele, em tom de brincadeira, rematou: “as raparigas que vieram este ano parecem todas do American Pie… eheh”.


Desconhecia a existência deste intercâmbio, mas achei uma ideia interessante, e a única diferença que senti com este acontecimento, foi o facto de a última sala, onde eu normalmente estudava por ser a calma, ter ficado reservada apenas para as estudantes da terra do Tio Sam.


O Wc dos homens esteve encerrado durante uns dias, devido a uma pequena rotura num cano, e quando reabriu, ainda era visível que os trabalhos não estavam concluídos. Quando entrei naquele wc, ouvi vozes que pareciam estar ali. Verifiquei mas não vi ninguém, no entanto, sentia-me observado. 

Ouvia risos que acompanhavam os meus passos. Fiquei todo o dia a pensar se estaria a ficar louco, ou com a mania que estava ser seguido por alguém.

* Senhora X

Por vezes recebo mails de alguns do meus leitores, mas aquele mail foi diferente, e vinha assinado com o nome misterioso de “Senhora X


Era uma leitora assídua dos meus textos, e fã incondicional do meu Blog, e como grande admiradora do meu espírito imaginativo, pensou que eu seria a pessoa perfeita para a ajudar a realizar a grande fantasia da sua vida.

Tratava-se de uma fantasia que não poderia ser realizada por um conhecido ou amigo, pois ela sonhava em ser amarrada e devorada por um estranho. Confesso que inicialmente fiquei muito céptico com esta proposta, mas no fundo realizar uma fantasia a uma leitora dava-me um gozo especial.

Aceitei. Planei tudo, e disse-lhe para ela estar no feriado, às 15h, no novo Hotel junto do Parque de Campismo, e quando ela chegasse, pedir na recepção a chave do quarto 310. 


Com o objectivo de aumentar o seu nervosismo e a sua ansiedade, chegamos 2h atrasados. Sim, chegamos, porque eu decidi ir acompanhado, e levei um amigo comigo, o Martim, um amigo que era personal trainer num famoso ginásio de Lisboa.

Eu tinha avisado para ela deixar a porta do quarto simplesmente encostada, e assim entrei de subitamente, coloquei-lhe uma venda nos olhos e amarrei-lhe as mãos. Ela esperava por mim apenas em lingerie, e eu fiquei admirado com o seu corpo, pois não conhecia aquela mulher, e aceitei o desafio de forma totalmente cega.


Depois de tudo preparado, o Martim também entrou no quarto, em silêncio, para ela não perceber que éramos dois. O desejo dela em viver aquele momento era tanto, que era perfeitamente visível a sua excitação. E visto ela estar preparada, entrei dentro do seu corpo sem lhe dar piedade, em movimentos de vai e vem a alta velocidade, e com uma fricção intensa e total. 

Sempre com as penetrações profundas que ela queria sentir, recebendo o embate do meu corpo no seu. O corpo dela vibrava intensamente e ela delirava sempre que sentia a força com que eu entrava por completo dentro de si. O objectivo máximo era dar prazer à minha leitora…


Eu aguentei até ao limite das minhas forças, enquanto ela se derretia de prazer em silenciosos mas fortes gemidos. O seu peito foi o depósito do meu prazer, e ela suspirou, no meio de um sorriso, quando sentiu aquela sensação quente a cair na sua pele. Era parecia rendida e satisfeita…

O que ela não sabia e não esperava, é que o Martim estava ali, e pronto para entrar em acção, e eu sussurrei-lhe ao ouvido:”prepara-te que a festa ainda não acabou… quero ver o teu limite…”. Ele foi muito mais feroz e totalmente impiedoso. Ele teve uma intensidade incrível, que ela continuava a conseguir aguentar, sempre pimba, pimba, pimba … sem parar e sem abrandar aquele ritmo forte e frenético


O Martim fustigou aquele corpo, até sentir que a “Senhora X” já tinha ultrapassado todos os limites das suas forças, e caminhava para a exaustão total. Ela caminhava para a loucura, mas uma loucura saudável, de prazer, satisfação e muito tesão. Ele juntou todo o seu prazer ao meu, aumentado assim a quantidade que ela tinha no seu peito. Ela delirou e derreteu-se, ficando totalmente entregue aos prazeres do seu corpo, totalmente molhada de transpiração e sexo.

Deixei-lhe um pequeno papel na cama a dizer que o Hotel estava pago, soltei-lhe as mãos, dei-lhe um suave beijo nos lábios, e saímos silenciosamente do quarto sem ela nos conhecer o rosto. Não me conheceu o rosto mas ficou com o sabor dos meus lábios na sua boca.


Esta aventura deu-me um gozo bestial, pelo facto de ter realizado daquela maneira, uma fantasia de uma mulher, mas acima de tudo, de uma das minhas habituais leitoras… e é muito provável, que encontrem algum comentário assinado pela “Senhora X”…

Foto: Vincent Besnault_(Corbis.com)

* Perfeição Feminina


Eu gostei tanto da experiência de ter trabalhado durante as férias da Pascoa, no Estúdio de Tatuagem, que quando chegaram as férias de Verão, fui falar com o Virgílio, se haveria alguma vaga para poder voltar a trabalhar no estúdio. 

Ele disse-me que no Estúdio de Tatuagem não havia vagas, mas se eu tivesse interessado poderia ir trabalhar, durante quinze dias, para um Estúdio de Piercing, que ele também era proprietário, que ficava situado em Alfama.

Mais um desafio que aceitei com um sorriso nos lábios, sem sequer pensar no que teria de enfrentar. E é verdade, não foi nada fácil conseguir lidar com esta situação, de ver pessoas a ser furadas em varias parte do corpo.

Era terrível para mim, ver pessoas a fazer piercings, na maioria das vezes apenas por uma questão de afirmação pessoal, ou para poder se manter num grupo de amigos. Eu achava terrível, no entanto respeitava as opções.

No entanto os quinze dias pareciam que não terminavam, e naquela tarde, apareceu uma jovem, para fazer um piercing vaginal. Fiquei chocado. O que levava uma rapariga tão bonita, a fazer aquilo? 

Tentei conversar com ela para tentar perceber de onde partia tal desejo, e foi fácil e rápido de perceber que a origem de tal iniciativa partia do namorado. Ela já tinha feito um piercing no umbigo e junto do olho, também por iniciativa dele e era ele que pagavam.

Ela mostrou-me uma fotografia do namorado, e ele tinha vários adornos metálicos no rosto. Ele era um fã de corpos decorados com pequenas jóias metálicas. Pelas fotos, aquele rapaz parecia-me de um estilo completamente diferente desta rapariga, e ela apenas lhe fazia a vontade para o satisfazer, e para poder integrar-se no grupo de amigos dele.

Bem, comecei a prepara-la, para o nosso técnico lhe fazer a aplicação da jóia metálica. Ela tirou a roupa, e ficou com as pernas abertas, mesmo à minha frente de modo a que tudo ficasse em condições de segurança e higiene.

Fiquei fascinado a olhar para a intimidade daquela jovem, era linda, perfeita, e algo que eu nunca tinha observado. Nas suas pernas, via-se a veias a caminhar, prontas a irriga-la, nos seus momentos mais quentes de prazer. 

Eu abri o coração e acabei por me confessar: “Esta tua zona do corpo é uma coisa tão perfeita, tão simétrica, tão bem desenhada pela Natureza. Confesso que nunca tinha visto nada tão excepcionalmente excitante e atraente. Dá-me vontade de tocar e de sentir. Saborear cada pormenor e cada recanto. Deve ser uma incrível fonte de prazer. Ela será certamente a porta de passagem dos teus filhos para o mundo. Ela é linda, linda, linda… Por favor, não a alteres, e deixa-a ficar assim perfeita. Por favor, guarda essa jóia bem guardada, valorizando a sua perfeição, e oferece-a apenas a quem mereça desfrutar desta perfeição. O que acabei de assistir, é uma imagem que nunca sairá da minha memória…”

Aquelas palavras despertaram nela algo que não foi indiferente. Ela sentiu-se encorajada, vestiu-se, deu-me um beijo de felicidade, e saiu a correr em direcção à rua. Eu fiquei extremamente radiante por ter conseguido evitar, que aquela jovem mulher fizesse algo que efectivamente não queria, desfigurando para sempre, algo tão perfeito, apenas por capricho de um homem.

Nunca mais consegui ver nada mais bonito, do que as portas daquele abrigo de prazer. Ainda hoje sonho, em muitos momentos de solidão, tudo o que poderia fazer com aquela jóia preciosa, e sempre com estou com uma mulher, em segredo, faço sempre as minhas comparações. Irei morrer com o desejo secreto de encontrar algo semelhante.

Bem, quem não achou graça às minhas palavras foi o Virgílio, que assim que soube que tinha perdido um cliente, antecipou o dia em que tinha de sair. Fui despedido, e ainda bem que assim foi…

 Foto: Silvya Torres (Corbis.com)

* Morena Tropical


Era um ritual, eu sentar-me naquela esplanada, junto ao rio, ao final da tarde, para descansar um pouco dos dias agitados que eu andava a viver.

Neste meu ritual diário, cruzava-me sempre com uma jovem estudante, aparentemente universitária, que muitas vezes também ficava ali sentada, a rever a matéria que tinha dado nas aulas, e a observar aquela espectacular vista que o Rio Tejo tinha para nos oferecer.

Ela tinha um tom de pele fantástica, aquilo que eu classifico como “moreno tropical”, e uns olhos que já se tinham cruzado com os meus, diversas vezes. Sempre que eu olhava para ela, sentia que ela estava atenta ao que eu fazia, de uma forma discreta, mas sentia aqueles olhos a percorrer o meu corpo.

Naquela tarde de sexta-feira, senti a falta daquela jovem. Estava a sentir a falta daquele jogo de olhar, no entanto ela acabou por aparecer. Desta vez vinha mais descontraída, e em vez daquela sua roupa mais formal, vinha vestida como quem tinha acabado de chegar da praia, com uma roupa mais desportiva e uma saia, e sentou-se exactamente na mesa em frente à minha, a comer um “Magnum Classic”.

Desta vez ela fixou os olhos em mim, sem qualquer vergonha. Enquanto estava a comer o gelado, olhava para o meu rosto, de forma voraz e intensa. Eu entrei no jogo dela. Ficamos olhos nos olhos durante alguns minutos, numa tentativa de ver, quem seria o primeiro a desviar o olhar.

Ela começou então, a comer aquele gelado de forma sensual. A lamber todo o chocolate que o envolvia, e a coloca-lo por completo na boca, em movimentos lentos, mas demasiado eróticos. A minha imaginação estava a imaginar o movimento daqueles lábios, mas numa zona do meu corpo, que estava a ficar intensamente desejosa de conhecer o corpo daquela jovem mulher. Ela fazia questão de fazer barulho a chupar aquele doce gelado, e aquilo estava a fazer o meu coração bater cada vez mais forte.

Mas quase que explodiu, quando ela decidiu cruzar as pernas, e os meu olhos conseguiram vislumbrar a ausência de qualquer roupa interior. Ela estava, decididamente, disposta a provocar-me. Assim que acabou de comer o gelado, escreveu algo numa folha de papel, levantou-se, olhou para mim, piscou-me o olho, e seguiu em passou lento. Eu fui ver o que dizia o papel, e estava escrito: “me segue, se quer que eu seja sua…”.

Segui atrás dela, e mesmo atrás do Bar, numa zona mais ou menos discreta, mas onde corríamos o sério risco de ser apanhados, os nossos olhos estiveram mais perto do que nunca, enquanto os nossos lábios, se devoravam de desejo.

Não havia tempo para muito, pois a qualquer momento poderia aparecer alguém, mas foi fantástico entrar dentro do corpo daquela jovem, que eu descobri que era brasileira, quando ela me pediu insistentemente: “me come”. Que mulher perfumada, que mulher saborosa, que mulher tão quente. Todo aquele calor que ela trouxe consigo no corpo, fazia o meu corpo vibrar de prazer.

Foi uma verdadeira “rapidinha”, e muito perigosa. Ela queria sempre algo mais forte, mais intenso, e com mais prazer. Eu dei-lhe tudo o que ela quis, com força e sem piedade. Eu enterrei-me verdadeiramente dentro do seu corpo. Foi tudo muito rápido, mas com uma intensidade verdadeiramente saborosa, que os dois adoramos. Nós não sabíamos se alguém estava a ver, mas também não queríamos saber…

No final, depois de satisfazermos todo o desejo do nosso corpo, e da nossa mente, a Marília (só depois de tudo é que soube o nome dela) me contou que estava a fazer um intercâmbio universitário em Lisboa, e amanhã iria partir de volta para o Brasil, mas não se queria ir embora, sem sentir o doce e saboroso prazer de um português… desejo concretizado…

Foto: Meeke (Corbis.com)

* Cinderela Militar


Alfama estava ao rubro naquela noite quente de Santo António. No ar pairava o cheiro a sardinhas e manjericos, misturada com a tradicional musica popular. Foi no meio daquela multidão que circulava e dançava pelas ruas daquele bairro típico de Lisboa, que me cruzei com a Margarida.

No meio de tanta gente e naquela euforia, que acabamos sempre por trocar dois passo de dança com uma desconhecida, no entanto a Margarida tinha uma atitude especial, uma personalidade forte, parecia uma mulher de armas. Foi ficando sempre como minha companheira de dança. 

Dançamos incrivelmente ao som de Quim Barreiros e de Emanuel. Estávamos radiantes a viver aquela típica noite lisboeta. Criamos uma estranha afinidade que decidimos aproveitar, com um tímido e simples tocar de lábios. Foi um beijo simples mas especial.

No entanto, à meia noite quando tocou o sino de uma igreja ali próxima, ela olhou para mim e disse: “-Meia noite? Tenho de me ir embora… Adeus…” Eu em tom de brincadeira perguntei-lhe:”- Embora porquê? A tua coche vai se transformar novamente numa abóbora? Lol”… Ela sorriu, mas nem me respondeu e começou a correr pela rua abaixo, deixando cair a pulseira que trazia no seu braço. 

Impulsivamente, agarrei aquela pulseira e corri atrás daquela jovem, sem nunca a consegui alcançar. Ela era rápida, no entanto consegui sempre controla-la à distancia e reparei que ela entrou num navio da marinha portuguesa que se encontrava estacionado entre Santa Apolónia e o Jardim do Tabaco.

Irreflectidamente entrei dentro daquele barco para a tentar encontrar, e logo à entrada quando ela me viu disse-me: “-És louco? Que fazes aqui? Ninguem te pode ver aqui senão vamos ter problemas…” e abriu uma porta de um pequeno compartimento e disse que eu não poderia sair dali até novas ordens, senão eu poderia estar tramado por invadir um navio militar. E ali fiquei fechado, totalmente às escuro, num espaço muito pequeno, e onde apenas conseguia ouvir as conversas de quem passava no corredor do navio.

* Puro Arrependimento


Conheci a Cristina no mundo virtual. Ela era autora de um blog adulto, com poemas sugestivos e fotos sensuais, onde o seu corpo estava no centro das atenções. Ela fotografava pormenores do seu corpo, e demonstrava o seu erotismo.

Eu era um frequentador assíduo dos seus textos e das suas fotos, de tal forma, que ousei contacta-la, enviando uma mensagem para o email que estava disponível na página.

Ela respondeu-me, apresentou-se e acabamos mesmo por conversar. No Skype, eu vi uma foto do seu rosto e ouvi a sua voz. 

A autora daquelas fotos e daquele blog era investigadora num Centro de Investigação em Oeiras, e vivia em Algés. 

Bonita e muito inteligente, era um prazer para qualquer homem falar com ela. 

Por detrás daquela investigadora, estava uma mulher imaginativa e libertina, e que não conseguia sentir-se presa numa relação, devido a ser uma mulher demasiado liberal.

Era uma mulher que gostava de provocar de uma forma subtil, usando quase diariamente meias de ligas, por debaixo das suas saias ou do seu vestido. Era uma provocação subtil, apenas para os mais atentos. Outra arma de sedução, era sempre os seus decotes sugestivos. Ela adorava este mundo de sensualidade, de provocação.

Falamos quase diariamente, e eu adorava ouvir as suas histórias e a forma como ela gostava de ser fotografada, reservando sempre a sua identidade e o seu rosto. Eu sentia-me privilegiado, ao conhecer as feições da sua face. 

Certa noite, ela estava no laboratório, a efectuar um trabalho, onde tinha de registar os resultados durante 24horas, de hora a hora, e estava a teclar comigo. Eu perguntei-lhe: “como ocupas o teu tempo no intervalo dos registos?” Mais uma vez ela surpreendeu com a sua resposta directa: “como estou aqui sozinha, vejo filmes para adultos…

Admirado questionei: “…mas sempre ouvi dizer que as mulheres não gostam desse tipo de filmes…” e ela mais uma vez respondeu-me de uma forma directa e sem tabus: “… as outras mulheres não sei… mas eu gosto e vejo regularmente…tem algum mal?” Nessa noite, ela não falou mais comigo, com a desculpa de estar ocupada, mas eu fiquei a imaginar o que estaria a acontecer naquela laboratório. Será?

E na noite seguinte, eu já estava a dormir, e o meu telemóvel tocou de madrugada e acordou-me. Era a Cristina, com a voz ofegante a pedir a minha presença junto de si. “… preciso de um homem… vem ter comigo… eu quero e preciso de ti aqui… tu moras perto, e chegas aqui rapidamente… vem depressa, por favor…” Eu fiquei sem reacção àquelas palavras, mas eu não podia ir, mas ela insistia…

“…quero conhecer o teu cheiro, o teu sabor, o teu vigor… quero ver o teu prazer… quero sentir-me preenchida por ti, até nascer o Sol…vamos aproveitar esta noite de uma forma incrível. Vem gritar comigo…vem, ou tenho de pedir novamente por favor?”

Eu estava louco com as palavras dela, mas não podia ir. Eu fui um mentiroso. Menti-lhe no meu nome. Menti-lhe na foto onde me apresentei. Menti no sítio onde vivia. Menti no que fazia. E agora, depois de tantas mentiras, não podia usufruir de uma mulher fantástica, que estava loucamente a chamar por mim.

Não será difícil imaginar o que eu estava arrependido, mas aprendi uma boa lição, pois no mundo virtual, apesar de podermos reservar a nossa identidade, a mentira nunca é uma boa atitude.

A Cristina desapareceu da internet, nunca mais falou comigo, e o seu blog foi desactivado. Penso que ela terá terminado a sua relação com o mundo virtual, por se ter sentido traída e enganada. Eu fui o culpado e perdi uma oportunidade incrível de conhecer uma mulher fantástica, em todos os sentidos… Puro arrependimento...

Foto: Ben Welsh (Corbis.com)

* À Porta dos Exames



O curso estava quase a terminar, mas os trabalhos finais estavam a deixar-nos loucos. Eu e o Luís não pensávamos noutra coisa, estudar. A irmã do Luís, a Leonor, muitas vezes juntava-se a nós no estudo, mas ela tinha um objectivo diferente, queria ser médica, e aproveitava o nosso ritmo de estudo universitário para conseguir realizar o seu sonho. Só lhe faltavam os exames finais do 12º ano. Estávamos todos à porta dos exames...

Eu e o Luís queríamos sair da Faculdade, e a Leonor queria entrar. O irmão não tinha grande paciência para dar explicações à Leonor, e sempre que ela tinha alguma dúvida em Matemática, ela perguntava-me, e eu tinha muito gosto em ajudar. Eu dei-lhe o meu número de telemóvel, e deixei-a à vontade para ela me ligar, sempre que tivesse duvidas.

Ela, sentido a pressão da proximidade da data dos exames, começou a ligar-me todos os dias à noite, para fazer um resumo do que tinha estudado. Ela tinha uma voz doce e meiga, e dizia-me vezes sem conta, que adorava ouvir a minha voz sexy. Eu achava graça aquela observação.

Muitas vezes durante estas conversas nocturnas, eu sentia a respiração da Leonor mais acelerada, muitas vezes interrompida com pequenos suspiros. Eu perguntava-lhe sempre o que se estava a passar e ela respondia-me sempre: “é efeito da tua voz sexy…”. Eu desconfiava seriamente o que ela poderia estar a fazer. Mas enquanto falávamos de matemática? Seria possível?

No dia antes do nosso exame final, passei o dia todo em casa do Luís, os dois trancados no quarto dele. Os pais dele estava no norte e a Leonor não estava em casa. Perto das 22h, ele saiu para ir à casa da namorada e eu fiquei sozinho a fazer provavelmente os últimos exercícios. Estranhamente o meu telemóvel tocou, e o número era… o número da casa do Luís, era a Leonor.

Ela pensava que estava sozinha em casa, até porque eu estava em silêncio no quarto do irmão. Eu não desvendei que estava, apenas com uma parede a separar-nos. Mais uma vez, depois de algumas dúvidas de matemática, a sua voz voltou a ficar ofegante, com os constantes e habituais suspiros… Não resisti, e avancei até ao quarto dela. Porta simplesmente encostada, ela estava deitada na sua cama como o telefone no ouvido.

Para não ser descoberto, disse-lhe que tinha de falar muito baixinho. O quarto dela tinha as paredes pintadas de cor-de-rosa, alguns bonecos pelo chão e uns cortinados coloridos. Talvez um quarto demasiado infantil para uma rapariga crescida e pronta a estudar medicina. O facto de estar a falar muito baixo quase a sussurrar fez a Leonor dizer: “a tua voz assim ainda é mais sexy…

Os meus olhos olharam com atenção para o corpo dela, e se uma mão segurava o telefone, a outra estava dentro da sua roupa, a tocar exactamente no sítio que eu imaginava. Decidi ser ousado: “eu sei o significado dessa respiração, desses suspiros fortes e quentes, e queria ser eu a entrar dentro de ti, queria preencher o teu corpo, completar-te… Queria sentir o calor da tua mão, o sabor húmido do teu dedo. Queria estar contigo e poder oferecer-te tudo… tudo o que tu desejasses… queria oferecer-te o meu corpo de homem para tu brincares e abusares… e acredita que substituía esse teu pequeno dedo, de uma forma intensa e com muita qualidade

A Leonor não me respondia, nem dizia uma única palavra, mas tinha uma respiração cada vez mais sôfrega, e entre aquela porta, eu conseguia ver o movimento do braço dentro da sua roupa cada vez mais intenso: ”Imagina tudo o que te poderia oferecer… adorava ver o prazer espelhado nos teus olhos” e foi neste momento que a Leonor decidiu falar:”adorava ter-te aqui, queria sentir-te dentro de mim, bem fundo, queria me sentir penetrada por ti. Eu queria que tu fosses o homem mais velho que eu nunca senti, que me ensinasses a sentir prazer de verdade, como uma verdadeira mulher adulto, que pensa em sexo, que sonha com sexo e que deseja sexo a toda a hora” 

Foi nesse momento, que abri a porta do quarto, e apareci à sua frente...

Foto: Kathrin Ziegler (Corbis.com)